Fui


Dou hoje início a um mês de férias . E vou apagar temporariamente o instagram (e as outras aplicações sociais) do meu telefone pelo que, durante estas férias, para além de não partilhar nada também não vou ver as vossas partilhas 😬. Sei que vou sentir falta, porque este imediato da partilha e do dia a dia tornou-se um hábito, que tem tanto de bom e divertido como de viciante . Mas apetece me tanto , tanto (acho eu) que ninguém imagina! 

Até setembro e boas férias a todos! Até lá o meu telefone está ligado mas apenas com a sua função principal (?): falar ao telefone. 🤓

 

De Meloa 

img_5808-1

 

Andava há muitos anos para comprar uma máquina de fazer gelados, mas sempre com muitas dúvidas se valeria ou não a pena. Na semana passada avancei, ainda um bocado renitente se seria mais um “trambolho” cá para casa. Mas não. Os gelados ficam óptimos e cremosos como nunca consigo se os congelar no congelador, mesmo  seguindo as regras todas.

Comprei a máquina na semana passada e já é o terceiro gelado que faço (e que desaparece no mesmo dia). Ontem resolvi fazer o meu sorvete preferido. Aquele que sempre que vou ao Santini escolho: Meloa (só no Verão, que no Inverno não há). E,  não desfazendo o Santini, o meu  ficou ainda melhor (vá, igualmente bom, mas como fui eu que o fiz sabe melhor!). Saboroso, fresco e cremoso.

Para eles resolvi por nos moldes de calipos que lá tenho em casa. E, embora ache que seja um bocadinho cremoso demais para um gelado de “chupa chupa” eles adoraram. E, mais houvesse, porque não sobrou nem um bocadinho.

A receita é tão simples que até tinha duvidas se fazia sentido partilhar aqui ou não, mas cá vai (esta agora está cá com a auto estima culinária…) :

Tirei a casca e as pevides a duas meloas – usei uma cantalupe e uma normal (?), não por nada de especial mas porque era as que tinha em casa. Triturei-as na liquidificadora e juntei o sumo de meio limão. No lume fervi 40g de açúcar  (talvez desse para fazer sem açúcar, as meloas era muito doces) com 200ml de água. Quando o açúcar se desfez, desliguei o lume, deixei arrefecer e juntei ao sumo de meloa.

 

Se não tivesse a máquina de gelados, esta mistura seguiria directamente para as formas de calipos, mas como tenho coloquei a mistura meia hora na máquina até ficar bem cremosa e com a consistencia de um verdadeiro sorvete. Nós, pais, comemos o gelado acabado de fazer. Para eles ainda coloquei nas formas e no congelador durante duas horas e, escusado será dizer que todos voaram.

When I heard the countdown start, it started slowly…

E pronto passou o maluco mês de Junho e o exasperante mês de Julho. São estes  os meses que mais depressa voam e que ao mesmo tempo mais tempo demoram a passar…

Gosto de viver o verão com toda a intensidade do mundo, gosto de ter a certeza que estou cansada  e que não parei – um bocado surreal, não é? – Quero chegar ao Inverno e, quando calçar os chinelos e puser a mantinha com a chuva a caír la fora, ter a certeza que aproveitei todos os minutos de calor e de Verão. Que me esqueci do que é estar em casa e parar. Um bocadinho como a vida. Sendo o Inverno a velhice. Até lá quero aproveitar tudo.
O meu dia de ontem resume bem como gosto que sejam os dias Verão: saio de casa cedo, vou correr – volto a casa, faço sanduiches – saio de casa, vou para a praia – volto a casa mudo de roupa – saio de casa, vamos para a festa da Leonor – volto a casa, tomo banho – saio de casa, vou jantar fora com amigas – volto a casa, caio para o lado. Estafada mas feliz. Com o conforto da certeza que tenho todo o Inverno para hibernar e descansar.

Esta semana estou em contagem decrescente para as tão esperadas férias grandes.
Na verdade não são as férias grandes mas as unicas férias. Este ano, pelo segundo ano consecutivo vou tirar 1 mês inteiro seguido (19 dias úteis, sendo que  dia 15 é feriado). Tendo em conta que temos 22 dias uteis de férias – um dó! -sobram-me três dias de férias para o resto do ano inteiro. Embora extremamente claustrofóbico o facto de ter apenas três dias a sobrarem  para um ano inteiro de trabalho, um mês seguido de férias é incrível.
Porque num mês de férias é possivel parar à séria. Esquecer o trabalho, as rotinas,  os problemas. Esquecer o que é  usar sapatos e esquecer o que é viver sem areia entranhada em todo o lado. Um mês em que os meus filhos são “meus” vinte quatro horas por dia (com tudo o que isso tem de bom e de mau…). As viagens compridas, a música aos berros, o carro sempre  cheio de malas, crinças e mercearias e todos a refilar com os cabelos ao vento (não ter ar condicionado no carro é uma escola de vida). Os dias que não acabam nunca entre sol, sal, gritos, brincadeiras e vinho gelado. Casas que não são nossas, confortáveis, desconfortáveis -indiferente, não é a casa que queremos. Queresmos família,amigos, primos. É a vida que desejamos o ano inteiro.
Tudo isso está prestes a começar. O Countdown começa … Hoje. 5,4,3,2,1…

Falafel

Em primeiro lugar peço desculpa pelas fotografias não estarem por ordem. Como sabem, faço os posts num iPhone velho. Já há algum tempo que, para além de uma pestana que aparece em todas as fotografias, existe uma linha no ecran onde ele não tem sensibilidade. Significa isso que, com o telefone vertical não tenho acesso ao “p” nem a tecla de apagar. Ora bem, existem situações em que não consigo por o iPhone horizontal. Não sei o que deu hoje a aplicação do wordpress que não seguiu a minha ordem das fotografias. Mas também não consigo estou a conseguir mudar …

Já há muito tempo que não partilhava aqui nenhuma receita. Sou muito insegura na partilha de receitas mas, como percebi que tenho leitores que gostam das receitas cá de casa  resolvi partilhar uma das coisas que mais gosto de fazer (comer)  desde os meus tempos de vegetariana: Falafel’s. Apesar de serem fritos é uma refeição vegetariana e que os miúdos adoram. 

Normalmente uso grão biológico porque é  que costumo ter em casa (a minha irmã dá -me de tempos a tempo todas as leguminosas vindas directamente do produtor.

 Põe-se o grão de molho (cerca de 400g) durante a noite (ou pelo menos durante 4 horas) e pica-se MUITO bem picado  num robot de cozinha até ficar bem fino.

Pica se uma cebola, dois dentes de alho, salsa e coentros e envolve-se no grão. Junta -se uma colher de sopa de fermento e outra de cominhos. Tempera-se com sal e pimenta. Envolve se até obter uma pasta grossa. Tapa-se com papel aderente e repousa no frigorífico cerca de meia hora .

Ao fim deste tempo com as mãos fazemos bolinhas, espremendo bem o excesso de líquido. 

Levam -se a fritar e estão prontos! 

Gosto de os servir só com salada, maionese e ketchup, e é num instante que estas bolinhas desaparecem!

Obrigada !

 

Nem imaginam como fiquei feliz ao ler um por um todos os vossos comentários.
Na verdade não estava a pensar mudar radicalmente os posts nem acabar com este espaço, mas umas vezes faltam-me as ideias e outras tenho dúvidas sobre a pertinência disto tudo.
Claro que ao ler os comentários as dúvidas desaparecem e fico com a sensação que tudo faz sentido.

Obrigada: Rita, Flávia, Cláudia,Vera, Filipa, Catarina, Nina, Sónia, Constança, Vanessa, Adriana, Alexandra,Vovó Maria,  Joana, Chris, Patrícia, Angela, Márcia, Claudia, Ana, Maria, Monia, Margarida, Mariana, Luiza, Vitoria, Inês, Sofia, Marisa, Dani, Joana, Sofia, Maria João, Luciana, André, Lia, Bárbara, Andrea, Ana Isabel, Mafalda, Daniela, Ana Mira, Célia e a todos os outros leitores e comentadores: vocês são a minha principal fonte de inspiração. (ok ok mais pareço a Miss Mundo a agradecer, mas é mesmo mesmo mesmo do fundo do coração).