A transgeracionalidade das escolhas

(Sábado, 6:45)

Jacinto: mãe, posso acordar
Eu: não filho, hoje é sábado enlouqueceste?
Jacinto: mas eu não tenho mais sono
Eu: então vai ver televisão e deixa-me dormir!
Jacinto: mãe, mas eu não gosto de ver televisão …
Eu: …
Jacinto : vá lá mãe, acorda comigo
Eu: (zangada) ok eu acordo, mas não percebo como não há NADA que gostes de ver na televisão …
(Claro que percebo! E fico tão orgulhosa por meu filho dizer isto … Mas tinha sono e queria dormir)
As crianças são esponjas e nós, os pais, os seus modelos, e as suas principais referências. podemos às vezes nem notar mas tudo o que fazemos, eles estão a absorver até ao mais ínfimo pormenor, muito mais do que aquilo que lhes dizemos.
Eu detesto  e sempre detestei, televisão . Nunca vi uma telenovela , nunca nada me aborreceu tanto com fazer um zapping. Passo meses sem tocar num comando  (fase Guerra dos Tronos à parte)  e irrito-me ao estar numa sala com uma televisão ligada, mesmo que só como pano de fundo. Sem querer fazer muitos juízos de valor nem tornar este artigo agressivo: Acho os programas de televisão decadentes e o telejornal um espelho do daquilo que nos estamos a tornar. Temos medos. Medo da solidão, medo que os nossos filhos sejam diferentes, medo que lhes falte alguma coisa. E por isso não arriscamos  em  arranjar-lhes alternativas. Mas está nas nossas mãos, e não nas deles, mudar.
 As crianças não gostam de ver televisão. Os pais é que gostam que elas vejam. Mas temos de fazer um esforço e não deixar que continuem a impingir-nos  o lixo da televisão. Não deixar que escolham por nós aquilo que os nossos filhos vão ver, só porque é o que está a dar, é o que todos vêm ou é o que está na moda.
(A foto não tem nada a ver com o texto, mas foi a forma que arranjei de animar um bocadinho o post. Bem sei que quem aqui vem não vem para ler os meus desabafos sobre a sociedade e as suas maleitas,  tento evitar mas às vezes não resisto. Peço desculpa se ofendi alguém. Deixo um foto animada para descontrair.. )
Anúncios

3 thoughts on “A transgeracionalidade das escolhas

  1. Eu cá gosto muito de ver filmes e como raramente podemos ir ao cinema por causa dos miúdos, vejo muito os canais de cinema e os miúdos gostam muito de alguns filmes da disney que vou gravando!

  2. Olá, costumo ler mas nunca comentei. Identifico-me em muitas coisas. Em minha casa a televisão está semanas seguidas desligada. No outro dia perguntaram-me como é que a minha pequena (tem 3 anos) passava o tempo quando estava em casa, se era no tablet. Quando disse que não tínhamos ficaram incrédulos. Tenho jardim, quintal e animais, a minha filha brinca na terra, suja-se, dá de comer aos animais e sabe que as coisas não nasceu no hipermercado. No final de contas eu é que fiquei com a ideia que estava a fazer tudo de errado. As crianças passam tanto tempo na creche fechados e nós no trabalho, que quando estamos em casa queremos é ser livres. Desculpa ter-me alongado.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s