Bob

Não sou muito de escrever este tipo de post, mas há coisas que têm em mim um efeito tão bom e tão forte que sinto que gostava mesmo de partilhar com vocês. Aconteceu com a Jane Goodall. Aconteceu com o Einstein – quando foi das Ondas Gravitacionais  que fiquei  de tal forma fascinada e num misto de  baralhada e com um fraquinho por ele (sim, eu tenho um fraquinho por algumas pessoas. E o Einstein é uma delas. O Bob Dylan é outra..)  Depois de ouvir esta Nobel Lecture fiquei emocionada. De tal forma que quando acabou comecei de novo e ouvi tudo outra vez e… sem querer ser lamecha, fiquei com lágrimas nos olhos (tenho a impressão que ultimamente fico facilmente com lágrimas nos olhos)

Claro que o facto de ter ouvido nos headfones, sozinha na Boca do Inferno contribuiu bastante para o impacto disto tudo. Mas pronto…

Para mim o mais incrível de tudo nesta Nobel Lecture é a voz. Claro que  é tudo espectacular – desde o Bob ter ganho o Nobel à forma como foi reagindo indiferente aos imediatismos e banalidades que nos rodeiam, tudo no seu tempo e à sua maneira, como sempre. Desde o imaginar, amoroso, com 18 anos fascinado com o Buddy Holly, ao modo como ele basicamente diz que o que realmente contou quando começou a escrever canções não foi a parte técnica da folk – que ele dominava e que não o impressionava-, foram os livros que leu nos tempos de liceu  –  D. Quixote, Ivanhoe, Robison Crusoé, Viagens de Gulliver,…que lhe deram princípios, sensibilidade e uma visão tão informada do mundo.

Os três livros que ele, Bob, diz que mais influenciaram a sua escrita (Moby Dick, A Oeste nada de novo e a Odisseia) à maneira única como fala de cada um deles (dois deles tão importantes para mim também!)

É tudo demais, não sei explicar e aconselho (e eu cá não sou de aconselhar!) a todos que vejam (esta versão que ponho aqui tem legendas em inglês, que ajuda a não perder algumas partes); mas, apesar de tudo,  o mais incrível é a sua voz hipnotizante que parece que nos guia pelas palavras, como se estivéssemos a ler um livro. Como ele próprio diz aqui, à vezes não é preciso perceber o que dizem as canções mas sim perceber o que elas nos fazem sentir. Aqui, para além de gostar de ouvir o que ele diz, a voz dele tem em mim um poder inacreditável. Fascinada.

One thought on “Bob

Deixe uma Resposta para vovómaria Cancelar resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s