Uma Cena especial  

            

(o atraso do post deve-se a uma ligeira dor de cabeça causada não sei bem porquê…)
Uma cena especial como esta só podia ser para uma pessoa especial.
Esta foi a melhor de todas as Cenas porque foi para comemorar os anos da pessoa mais especial para nós cá em casa. A nossa pessoa preferida. A minha irmã.
Desde que nasci que ela e eu não nos largamos. E, desde que cresci, ela é a minha melhor amiga. E por coincidência (ou não) os amigos dela são os nossos amigos também.
Foi por isso uma Cena com tudo a que temos direito. Música alta, conversas noite dentro, amigos ao rubro e até um bocadinho de dança…
No máximo são 8 pessoas que recebemos mas desta vez vieram 14 (na verdade já fizemos uma Cena para 18).
A ementa foi indiana, com todo o
picante a que temos direito. Vários pratos variados, chamuças e até um delicioso Naan caseiro feito pelo padeiro Francisco. Destacou-se o caril de grão, que é uma receita antiga cá de casa e que faço muitas vezes (é básico e corre sempre lindamente). No sábado destacou-se, principalmente por ser o elemento mais picante do jantar, e por isso responsável pelo facto de a cerveja e o vinho (que achámos que era demais), quase não sobrarem.
De sobremesa, para além de um bolo de anos para soprar as velas à meia noite, fizemos um pudim de côco.
Este pudim é outra receita do Ferran Adrià, do livro que já falei aqui e que tanto tem sido usado cá em casa.
Muito simples de fazer, aconselho-o a todos os que gostam de côco.
Caramelo: colocar numa panela três colheres de sopa de açúcar em lume médio até caramelizar. Colocar o caramelo na forma do pudim e reservar.
Pudim: numa tigela colocar uma lata de leite de côco, seis colheres de sopa de côco ralado e quatro colheres de sopa de açúcar. Mexer bem e juntar 4 ovos batidos e envolver até ter uma mistura homogénea. 
Colocar a mistura na forma previamente caramelizada e levar ao forno a 200* em banho Maria durante 30 minutos (ou até estar firme ao toque)
Deixar arrefecer  e desenformar.

A Cena

 

  

    

Ando há muito tempo para falar aqui da Cena (aka Cena ao Sábado). A Cena surgiu do facto de adorarmos receber em nossa casa, de adorarmos conhecer pessoas novas e de não termos muita disponibilidade para jantar fora.
Um dia, ao convidarmos a nossa amiga Sara para jantar ela respondeu “que bom estou sempre desejosa desse vosso convite” e foi então que pensámos : e porque não os nossos amigos poderem jantar em nossa casa sem precisarem de um convite.
E então, em Janeiro de 2013 nasceu a Cena:


Aos Sábados  às 21.30 um jantar em nossa casa.
Cada semana há uma  ementa diferente (dois pratos à escolha, entrada e sobremesa), um determinado número de lugares e um preço.
Os nossos amigos só têm de se inscrever. Podem vir sozinhos, acompanhados, organizar um grupo
ou apenas esperar a surpresa de se encontrarem com os restantes inscritos.
Podem trazer quem quiserem desde que dentro das vagas limite (8).

A ideia é poderem jantar fora sem ir para a impessoalidade de um restaurante e poderem desfrutar de um bom repasto e de uma boa noite de copos no conforto de um lar.
Para nós,  é uma forma de os recebermos sem custos, podendo-lhes oferecer uma refeição mais requintada  e também um complemento ao orçamento familiar. Também é uma forma de estar mais com os amigos,  de conhecer pessoas novas e de fazer novos amigos.


A Ementa varia semanalmente e é apresentada por mail à quinta feira. S
empre que possível, são  usadas as ervas e os legumes da nossa horta. O pão e o queijo caseiro é transversal a todas as ementas.

Os amigos podem trazer outros amigos e, a partir do momento que os amigos dos amigos vêm à Cena, passam a ser nossos amigos também e então, entram no grupo que recebe a ementa.

É demais pensar as pessoas incríveis que temos conhecido e tantos novos amigos que temos feito desde que a Cena começou, há dois anos. 

Ontem, depois de uma paragem de uns meses (a Jasmim e a sua não apetência para dormir como causa desta longa paragem ) enviámos nova ementa para “o regresso da Cena”. Dois  amigos trouxeram quatro. Não nos conheciam, nem sabiam ao que vinham. Mas foi empatia à primeira vista e boa conversa noite dentro.
J
 Foi mesmo uma grande Cena.