Já cá estamos !


    
  
  
  

E assim entrámos nós em 2016.

Um bom jantar, bom vinho, boa companhia  e uma fogueira. Pessoalmente não preciso de mais nada.

Este ano, fizemos uns saquinhos com serapilheira onde cada um colocou o seu desejo mais importante para o ano que começa, juntámos lhe um cheiroso ramo de alecrim da nossa horta e, à meia noite, depois de saltar, comer as 12 passas e abrir o espumante, atirámos os nossos saquinhos cheirosos e repletos de desejos para a nossa pequena fogueira.

Depois do balanço do ano se 2015 os desejos mantêm-se os mesmo. Ou seja, quero que os anos me continuem a abençoar com a sorte que temos tido até aqui.  Mas num início de ano não podemos só pedir também temos que dar. Ou seja temos que nos propor a fazer coisas por ele, este ano, para além dos típicos “quero ler mais, comer melhor etc” comprometi me com outras três propostas  que  quero mesmo ver cumpridas.

Para facilitar dividi o ano em 12 partes e assim tenho um mês inteiro para executar cada uma delas. Não são muitas para não complicar e para ter a certeza que consigo:

– Quero fazer uma aventura familiar por mês. Não precisa de ser nada muito elaborado mas que seja uma aventura e que meta o máximo de natureza possível. Tenho algumas ideias como ir à neve, jantar um piquenique na praia, acampar, subir a uma montanha. Quero, durante esta semana alinhavar as 12 aventuras de 2016 pelo que, se alguém em tiver ideias e me quiser ajudar, agradeço.

– quero  correr um mínimo de 100km por mês. Ou seja dia 31 de dezembro  do ano que vem tenho que ter corrido 1200 km. Repito: mínimo.

– quero fazer uma peça de roupa por mês (seja para mim, para o Francisco ou para eles) tem é de ser uma por mês.

E assim  começo o ano. Já cá estamos em 2016. Vamos ver como corre o primeiro mês mês… Prometo dar aqui o feedback mensal destas três propostas acima. E vocês? O que se propõem a fazer por 2016?

Bom ano a todos os meus queridos leitores!

Começou 



    
  

Finalmente começaram as férias cá em casa. Férias de trabalho, de escola, de festas, de reuniões de fim de trimestre, de jantares e almoços.  Chegou o dia de recolher à nossa casa, à nossa família e preparar a tão esperada noite de Natal.

O excitamento dos meninos é muito. O grande dia aproxima-se e de repente apercebem-se que afinal passaram tão depressa estes dias do advento.

Cá em casa a calma da recolha contrasta com o rodopio dos preparativos de quem adora fazer tudo como manda a tradição.  Ainda há alguns presentes por fazer e outros por embrulhar. Os postais tiveram de seguir em correio azul (ou corríamos o risco de não chegarem a tempo).  Fazemos as ultimas decorações: centro de mesa, decoração de cadeiras e uma ideia linda daqui.

A noite de Natal é em nossa casa e, ainda por cima, nessa mesma noite o pai natal passa por cá e, já há muitos anos que se habituou a comer as bolachas que lhe deixamos pelo que seria gentil não o deixar ficar mal. Pareceu-me então melhor deixá-las já prontas, já que no dia 24 entre fazer o bolo rei (cá em casa é o Francisco que faz o faz – receita maravilhosa da Maria de Lurdes Modesto), as fatias douradas, o bacalhau e 4 filhos à mistura podia ser que não sobrasse tempo para as bolachas.

Da mercearia do meu bairro trouxe, broas de mel e noz e encomendei, como sempre, os sonhos – os melhores sonhos que já conheci.

Amanhã é dia de irmos passear, adoro o movimento das ruas neste dias (e noites) que antecedem o Natal. E hoje, a caminho de casa, ainda deu para ver o pôr do sol, o primeiro do Inverno e explicar-lhes que foi o dia mais curto do ano e que a partir de agora todos os dias serão um bocadinho maiores. Viva  o solstício de Inverno e a todos um Bom Natal.

(Impossível fotografar com o iPhone a beleza que estava este sol)

Um dia na quinta


  
  
  
  

Sei que não há dúvida que somos todos mais felizes em liberdade e que, por mais que saiba bem uns dias de chuva para aproveitar o aconchego de ter uma casa, não há nada como um fim de semana de sol. Por isso, para além de agradecer aos nossos queridos amigos Margarida e Tiago que nos proporcionaram um dia fantástico a  matar saudades do ar puro, das árvores altas e dos animais da quinta, temos também que agradecer ao S. Martinho que este ano foi especialmente gentil em trazer, não só o sol, mas também o calor (os cestos de roupa suja também agradecem…).

E, para ser tudo mais do que perfeito amanhã levam para a escola as castanhas que eles próprios apanharam. Ai, como eu gosto que eles percebam que nada cresce no supermercado…

sexta-feira, parte II


  
  

Não é por crescermos que a noite de sexta feira deixa de ser A noite de sexta feira. Sexta feira já foi noite de saír até de manhã. Já foi a  noite de ir um bocadinho ao Bairro Alto com amigos. Já foi, depois de termos a nossa casa, noite de jantaradas até às tantas.

Porque a noite de sexta feira significa tudo aquilo para o qual que nós vivemos. Sensação de liberdade. É o fim de uma semana de trabalho. É quando ainda achamos que temos o mundo todo à nossa frente e que vamos poder fazer tudo aquilo que imaginámos (até que de repente já é domingo à noite outra vez) Mas, à sexta-feira ainda tudo é possivel.

Quando começámos com a Cena, idealizámos que seria preferencialmete na noite de sexta. No entanto, e tendo em conta que ainda é dia de trabalho e, ainda por cima  é o dia de ir às compras, resolvemos fazer A Cena ao Sábado e não A Cena à Sexta. Ora, visto que ao Domingo é a noite da nossa Pizza e filme e que nos parece injusto numa familia de 6 não  haver uma noite em que os meninos se possam deitar mais tarde de decidimos, já à algum tempo que sexta é noite de noitada familiar.
São vários os programas que vamos fazendo para trasnformar esta noite numa noite especial. Já falei aqui nas tapas com jogos. Hoje o programa é outro. É um dos preferidos de todos e damos-lhe o nome de “McdiCasa” . O nome, como se pode perceber é um derivado de uma famosa cadeia de lixo alimentar que as crianças costumam adorar. Não vou mentir, dizendo que os nossos filhos nunca comem, mas sou sincera quando digo que é muito raro e que é contrariados que cedemos a esse capricho dos meninos (normalmente aproveitamos uma viagem longa para lhes fazer a vontade poupando assim uns trocos noutro restaurante de beira de estrada).
Ao inventar este McdiCasa (já há uns anos que o fazemos) fazemos-lhes a vontade de uma forma caseira. As batatas cortamos bem fininhas para que fiquem estaladiças, depois fazemos os saquinhos à medida (temos sempre estes sacos para eles levarem o lanche, são de papel pardo e compram-se em embalagens de 100 – dão imenso jeito para tudo)
O pão, claro, é feito pelo padeiro lá de casa e é um pão próprio para hamburgueres, fofo e leve – desde há uns tempos que seguimos a receita daqui. A carne tem de ser boa, biológica de preferência, moldamos os hamburgueres à medida e… já está!
Cada um escolhe o que quer: cheese, natura ou com tudo!
Depois, é so escolher um bom filme que dê para todos – não é fácil agradar filhos rapazes, uma menina de 4 anos e uns pais chatos – mas isso é assunto para um outro post…

Cenas de Setembro


  
  
  
A chegada do outono, as despedidas (com esperança que ainda não definitivas) dos banhos de mar. O começo das aulas, das escolas, o frio nos pés que ainda andam de sandálias. Reorganizar, recomeçar, estruturar, idealizar, imaginar, concretizar.

É assim que se passa Setembro, um mês em que tudo começa outra vez, o mês em que tudo é possível. Ideias, mudanças, projectos. É o mês em que estamos cheios de energia, revigorados pelas  férias, prontos para começar tudo outra vez.

E, esta semana já é mesmo à séria, com a abertura do ano lectivo – desde que temos filhos os ciclos fazem-se em anos lectivos – os filhos crescem durante as férias, o ano tem 11 meses e as mudanças são para ser pensadas agora.

Setembro é, cá em casa, o mês de todas as intenções. E, como tal, esta semana depois de uma boa barrigada de praia, um bom almoço de família, um  tardio jantar com amigos, o material escolar todo identificado (ufa…), os livros todos plastificados e  a roupa toda pronta  é hora de dar as boas vindas ao Outono. Ao Outono, às rotinas de sempre e às novas resoluções:

Prometo comer melhor, prometo praticar mais desporto, prometo ser mais organizada, prometo cumprir todos os to do’s da minha agenda – que são muitos – prometo ser pontual, prometo ser melhor trabalhadora, melhor mãe, melhor filha, melhor mulher, melhor amiga. Prometo estar mais com os meus amigos, prometo dar mais festinhas ao meu cão.   Prometo e prometo. E  prometo passar os meses que aí vêm a dar o meu melhor para cumprir todas as promessas que fiz. Em Setembro.