Janeiro em imagens

 

Janeiro sempre foi, até ao nascimento do Jacinto o mês que menos gosto. Mês comprido, frio, com pouca graça e com pouco dinheiro. Claro que em 2007 passou a ter a maior das graças, faz anos o meu filho mais velho.

Resumindo, este ano o mês de Janeiro trouxe, como todos, coisas muito boas e outras menos boas. Uma passagem de ano muito especial, que me fez acreditar que 2016 vai ser um excelente ano e também comprometer-me com algumas tarefas que teria muito gosto em ver mensalmente cumpridas. Este mês posso-me orgulhar de ter conseguido concretizar todas (percebi que o sempre prometido comer melhor e ler um livro por mês não era exequível). Corri mais de 100km, fiz uma aventura (espécie de) e fiz duas peças de roupa. Estou com uma fantástica sensação de missão cumprida!

O Jacinto fez 9 anos e acho que lhe conseguimos proporcionar um aniversário mesmo como ele queria e um dia (mais propriamente um fim de semana) inesquecível.

A Associação onde trabalho comemorou 20 anos e celebrámos este dia com uma grande festa para todos, que correu tão bem como imaginámos.

Ainda destaco o programa espectacular de uma ida familiar ao Oceanário (e a sorte que tenho de ter amigos que se lembram de nós quando têm bilhetes que não vão poder usar). Não há descrição de o que eles (os 4) adoraram desta visita. Valeu mesmo.

No último dia do mês (todos os meses deviam acabar num domingo, dá mesmo jeito para estes rewinds) fiz pela primeira vez a Corrida do Fim da Europa que há muito queria fazer. Cheguei ao fim e fiquei contente com o resultado. Mas, o que mais gostei foi a beleza desta prova: Sintra – Cabo da Roca. Valeu mesmo.

 

 

 

 

Anúncios

Aventura ou flop?!


  
  
  
  
  

Foram 3 os compromissos mensais, não sei se se lembram, que me comprometi no início do ano: fazer uma peça de roupa, correr 100km e .. Uma aventura. Não que não me apetecesse prometer muito mais, mas escolhi estes por saber que são exequíveis comigo e com o que me conheço.

Este mês , vou bem lançada para os 100km (já corri 85, sendo que para a semana tenho uma prova de 17 à qual vou somar ainda uma semana de corridas matinais e fico despachada); a peça de roupa também já está: Fiz duas camisas para os rapazes que falarei depois aqui no blog.

Percebi que me está a faltar a “aventura”. E, repente, por mais que desse voltas à cabeça não me lembrava de o que poderia ser “A” aventura. Ou mesmo, o que queria eu dizer quando me comprometi com uma aventura. Lembro- me de algumas das que pensei mas nenhuma dava para este mês. E, pensando melhor, o que eu queria mesmo dizer era um bom passeio e uma boa lufada de ar puro.

Como as saudades da praia são mais que muitas, hoje depois de um dia em festa,  desejosos de ir apanhar sol, pegámos em nós, seis mais um, e fomos todos rumo à praia.
Na verdade o passeio transformou-se numa aventura.

Primeiro, a tarte que fiz para o almoço foi meio caminho no capô do carro (estranhei a quantidade de pessoas que nos faziam sinal mas não percebi, no entanto, “porque é que está tudo a apontar para nós, só por causa de um farol partido!). Não era o farol, era o nosso almoço. Acabadinho de sair do forno para se passear ainda dentro da forma pela cidade em cima do carro… Mas , apesar de tudo , aguentou-se bem!

A caminho, íamos a conversar sobre o diazão que estaria e que até seria chato pois a praia devia estar cheia. Eis senão quando, chegamos à praia e… ninguém. “Ups “- pensei, “isto é bom ou mau?”.

Podia ser bom mas, a verdade foi que o nosso piquenique se transformou num jogo de perceber quem apanhava menos areia nos olhos, quem tinha menos cabelos na cara ou de quem gosta da tarte que, depois de andar no capô do jipe se camuflou de areia.

Para a Jasmim parecia que estava um dia lindo de verão, na maior a brincar, a comer areia e tarte de areia.

Os meninos, entre tanta futebolada e brincadeira também não repararam que estávamos num ciclone. O Francisco, esse então, tomou um banho como se de Agosto se tratasse.

Já eu… Só queria voltar para o carro, onde poderia acabar o meu almoço e beber o meu café sem cabelos nos olhos.

Mas, no fim de contas acabou por ser uma tarde divertida entre a praia, o mar e… o nosso carro. O ar puro entrou (e de que maneira!) nos pulmões assim acho que até faço um check na aventura deste mês!

Dias cheios, portas abertas 


  
  

Quando praticamente não temos tempo para tirar fotografias, fazer um bocadinho de tricot ou sentar sossegadamente a ver um filme é um bom sinal.

Estes últimos dias foram um autêntico rodopio por estas bandas. Dias e noites muito animados que temos tido em nossa casa. Acho que perdi a conta dos amigos que entraram e saíram de nossa casa entre Quinta-feira e Domingo à noite. E como gostamos que a nossa casa seja uma casa que todos gostam de estar, como gostamos de receber  os amigos, a família e  os amigos dos nossos amigos (que são nossos amigos também).
Uma amiga fez anos e lembrou-se de fazer uma Cena para os comemorar, na Quinta-feira. Então, depois do trabalho, abrimos as portas e sai uma Cena para 10. Um grupo animado, ninguém preocupado com o facto de ser um dia de semana e o serão prolonga-se noite dentro. Depois de uma sexta também atarefada, o pai “solteiro” enquanto a mãe comemora o aniversário da associação onde trabalha,  Sábado, os meninos para um lado em actividades, meninas para o outro em passeios. À noite, abrimos novamente as portas, Cena para 8 – um festim Indiano, a preceito, como tudo a que temos direito. E claro, mais um serão divertido, mais amigos para nós e mais amigos para a Cena. Mais uma noitada (tudo com muita calma pois domingo de manhã era dia de correr 17km).
Depois da corrida, deu para  aproveitar a casa, dar uma arrumação, brinquedos fora da sala, brinquedos fora da cozinha. Trabalhos de casa, uma nova “andadora”  – Jasmim de um lado para o outro de pé, para grande excitamento dos pais e da restante família.
A tarde, sai uma dose de bolachas,  sai uma dose de queques de chocolate pois  vamos receber  a família para o lanche – vem tudo ver Sua excelência dona Jasmim e as sua nova aquisições.
 Sai a família entram três convidados muito especiais para a nossa, já famosa Pizza ao Domingo. Foi uma noite diferente dos nossos domingos a dois, as pizzas não paravam de sair e, posso-me gabar que estavam mesmo mesmo boas, a noite prolongou-se mais uma vez, animada. E o cansaço, quando se está bem acompanhado, passa despercebido.
No fim de todos estes dias, em que a campainha não parou de tocar, a cozinha não parou de bombar, o forno praticamente não foi desligado, a conversa não baixou o tom, a casa nunca ficou silenciosa.  Um fim de semana em que os intervalos casa arrumada/ casa desarrumada foram breves (muito breves). O descanso pode ficar para durante a semana. E, na verdade, cada vez tenho mais a certeza que a minha prioridade é pôr os amigos em dia.
E que bom que é começar a segunda feira com a casa suja, os pés cansados, as portas abertas e o coração cheio.

Sexta feira parte 5

  
  

  
  

Dia de chuva e sexta feira é, para quem tem filhos pequenos, a combinação perfeita. Ou seja: já que sabes que não vais sair à noite então nada como sentir como é quente e acolhedor o nosso lar.
Como já tenho vindo a contar aqui, aqui e aqui, a sexta feira é uma noite familiar muito importante para nós (na verdade a única noite que temos verdadeiramente com eles ao fim de semana, pois cá em casa as crianças estão excluídas da noitada ao sábado e ao domingo .

Hoje disse-lhes que íamos aproveitar o dia lindo que esteve e fazer um piquenique… de pijama. Peguei no nosso cesto, pus o meu chapéu et… Voilá! fizémos um piquenique bem no meio da nossa sala, com tudo a que temos direito, claro: Maçarocas , salsichas frescas, batatas fritas e uma boa salada de queijo cabra. Palitos de cenoura com molho  e , claro uns queques de chocolate acabadinhos de sair do forno (a parte boa de fazer um piquenique em casa é ter tudo quentinho e acabado de fazer!)

No fim, em vez de uma sesta à sombra fizemos desenhos, tricot e ouvimos uma história . E assim acabou a nossa sexta feira…(mentira, ainda não acabou que eles estão acordados enquanto escrevo este post, ninguém quer dormir, deve ter sido se terem apanhado demasiado sol. Para a próxima também eles põem um chapéu!)

Já cá estamos !


    
  
  
  

E assim entrámos nós em 2016.

Um bom jantar, bom vinho, boa companhia  e uma fogueira. Pessoalmente não preciso de mais nada.

Este ano, fizemos uns saquinhos com serapilheira onde cada um colocou o seu desejo mais importante para o ano que começa, juntámos lhe um cheiroso ramo de alecrim da nossa horta e, à meia noite, depois de saltar, comer as 12 passas e abrir o espumante, atirámos os nossos saquinhos cheirosos e repletos de desejos para a nossa pequena fogueira.

Depois do balanço do ano se 2015 os desejos mantêm-se os mesmo. Ou seja, quero que os anos me continuem a abençoar com a sorte que temos tido até aqui.  Mas num início de ano não podemos só pedir também temos que dar. Ou seja temos que nos propor a fazer coisas por ele, este ano, para além dos típicos “quero ler mais, comer melhor etc” comprometi me com outras três propostas  que  quero mesmo ver cumpridas.

Para facilitar dividi o ano em 12 partes e assim tenho um mês inteiro para executar cada uma delas. Não são muitas para não complicar e para ter a certeza que consigo:

– Quero fazer uma aventura familiar por mês. Não precisa de ser nada muito elaborado mas que seja uma aventura e que meta o máximo de natureza possível. Tenho algumas ideias como ir à neve, jantar um piquenique na praia, acampar, subir a uma montanha. Quero, durante esta semana alinhavar as 12 aventuras de 2016 pelo que, se alguém em tiver ideias e me quiser ajudar, agradeço.

– quero  correr um mínimo de 100km por mês. Ou seja dia 31 de dezembro  do ano que vem tenho que ter corrido 1200 km. Repito: mínimo.

– quero fazer uma peça de roupa por mês (seja para mim, para o Francisco ou para eles) tem é de ser uma por mês.

E assim  começo o ano. Já cá estamos em 2016. Vamos ver como corre o primeiro mês mês… Prometo dar aqui o feedback mensal destas três propostas acima. E vocês? O que se propõem a fazer por 2016?

Bom ano a todos os meus queridos leitores!