Junho

    

 

Chega ao fim mais um ano lectivo. Acho que é com anos lectivos que nos apercebemos da rapidez com que tudo acontece. Junho após Junho. Já passou para a primeira classe. Junho após Junho. Já passsou para a segunda classe. Junho após Junho. Terceira classe.
E pensamos, como é possivel ter um filho na terceira classe? (O que me vale é que tenho mais três, que nem andam ainda na primeira… Ufa…)
Adoro Junho. Desde pequena que é o meu mês preferido. Adoro ver Lisboa cheia de jacarandás, sentir o cheiro das primeiras sardinhas e dos dias compridos. Adoro dormir de janela aberta e ouvir vozes e risos lá fora, noite dentro. Adoro os santos populares, as ruas enfeitadas e as pessoas a chinelar  de dia e  de noite.
A minha família entra num resgisto muito diferente, agora só em Setembro é que volta a “assentar”. Agora, só pensamos em praia, em praia e em praia (e também em caracóis, sardinhas e cervejas).
Não ligo às rotinas, nem nossas nem deles. A escola passa para segundo ou sétimo plano (apesar de ainda não ter acabado). Já estamos todos cansados, as crianças cansadas da escola, os adultos do trabalho. Só queremos ir de férias e mandar tudo à urtigas.
 Os recados da escola ficam por ler, tudo fica bagunçado e desorganizado. A imensidade de reuniões, festas e viagens, a marcar o fim de mais um ano lectivo, faz com que de repente me sinta uma péssima mãe, desorganizada e pouco presente. Não consigo estar em tudo, não consigo não baralhar  datas nem chegar a horas a tudo a que me  proponho.
Hoje, era festa do final de ano do Jacinto. Tinha de levar uma t-shirt branca e chegar as 9.15 e já agora, ter a família a assitir. Chegou Às 9.30 de t shirt azul e sem família para assistir. Fiquei desfeita e de coração pequenino a perceber a minha falha: não confirmei com a professora (como normalmente faço) e ele coitadinho enganou-se a escrever a data da festa… trocou 12 com 11. Mas, o que hei de fazer… Estamos em Junho!
Anúncios

8

                

Já vai avançado este teu primeiro ano de vida. Já são 8 os meses que passaram desde que te conhecemos, querida Jasmim. E, a cada dia que passa és mais nossa, cada dia que passa te percebemos melhor. Cada dia que passa és mais adorada pelos teus pais, pelos teus orgulhosos irmãos e por todos os outros com quem partilhamos a nossa vida. Cada dia que passa estás mais segura do amor que te temos e daquele que tens por nós. E isso vê-se tão bem, quando olhamos para ti e te vemos sorrir.
Minha querida quarta filha, já sei bem como passa rápido este primeiro ano de vida.
Sei também que não te vais lembrar de todos os beijos que te dei nestes 8 meses. Sei bem, que não te vais lembrar que não te deixo  a chorar mais de 1 segundo sem ir a correr pegar-te ao colo. Sei  também que não te vais lembrar como te pegam os teus irmãos, trapalhões, nem do teu pai a tocar viola só para ti. Sei que não te vais lembrar como fico com uma cara tonta a cantar “doidas doidas doidas andam as galinhas..”, nem como abro a minha boca quando te estou a dar a sopa. Sei bem também que não te vais lembrar dos passeios que damos as duas, contigo embrulhadinha dentro do sling, nem da forma que te abraço depois de um dia longe de ti. Sei  bem que não te vais lembrar como é bom estar sentada com todos sempre à tua volta, nem da barulheira que fazem os teus irmãos quando tentas dormir. Sei também  que não te vais lembrar como a nossa casa gira à tua volta, neste teu primeiro ano de vida.
 Mas sei melhor ainda que, todas estas coisas de que tu não te vais lembrar, vão ficar guardadas em ti para sempre. Que são estes os movimentos de amor que tu nunca te vais esquecer, mesmo sem te lembrares.
Que é esta memória a verdadeira memória, a mais importante memória, aquela que te enche o coração e te vai preparar para aquilo que a vida te trouxer. Sei que é este mesmo amor que vais, um dia dar aos teus filhos.
Sei bem, ao ver passar o teus primeiros meses de vida, que te deixamos para sempre o carimbo do amor.
(mas agora, por favor, cresce mais devagarinho…)