Querido diário, dia 6

Hoje o dia terminou com a clara sensação que não sei o que tenho para contar.

Tirando, claro, o facto de ter ido correr assim que acordei. Uma mini corrida mas que deu para sentir as pernas. Tenho vindo a afastar-me cada vez mais dos tempos que corria e a ficar cada vez mais distante de tudo o que tenha a ver com exercício físico. Tenho agora 40 anos, está na altura de contrariar isto, bem sei, mas quanto mais o tempo passa mas me acomodo à inércia. Vou continuar a tentar fazer pequenos passos neste sentido. A ver se pega

Às 11 tinha uma reunião outra vez. Apesar de se terem portado bem, tive de estar sempre a tirar o som do microfone porque, entre eles a gritarem e cães a ladrarem houve muita agitação.

Quando a reunião acabou peguei no Lucas e saímos. Precisava de comprar umas coisas e ia buscar o telefone do Ben. Assim que voltei fui preparar o almoço e almoçámos todos juntos – tentei despachar tudo cedo porque tinha um assunto de trabalho para resolver e queria que o Lucas fosse dormir o mais depressa possível para os outros verem um filme e eu conseguir sentar-me no computador. E assim foi. O Lucas até dormiu uma boa sesta, a Jasmim teve entretida a brincar (brinca imenso e entretém-se sozinha durante horas se for preciso). Os rapazes e a Luz estiverem a jogar jogos de ecrãs- durante mais tempo do que eu queria, mas foi o que deu.

Fim do dia, enquanto eles jogavam setas estive a contar 50 histórias ao Lucas – ele ama histórias – depois, arrumar a casa, banhos e preparar uns hambúrgueres no pão para comermos enquanto víamos um filme. Hoje vimos “amigos e detectives” e eles adoraram. Fartámo-nos rir mas acabámos todos a chorar ..

E assim se passou uma sexta feira sem nada de especial para contar e onde nem fotografias tirei!

Mas amanhã é SÁBADO!

Querido diário, dia 5



Hoje acordei e decidi que ia ficar de pijama até mais tarde (coisa que nunca faço, mas como tinha um pijama novo, achei que tinha de ser ahahah) sentei-me um bocado ao computador e decidi que não ia tomar banho. Parece-me um exagero o gasto de água a tomar banho todos os dias uma vez que não saio de casa nem tenho feito exercício. Vou começar a ponderar seriamente o banho dia-sim dia-não. Soube-me bem arrastar-me em pijama mais um bocado, embora bem sei, é importante manter a rotina e os cuidados básico blá blá blá mas… não sentem que este confinamento está a ser estranho? Será pelo carácter repetitvo numa situação que não era suposto viver outra vez? Porque será que desta vez ninguém desenha arco iris? Porque será que não se vê festas zoom? Porque será que não vamos à janela bater palmas? Talvez por já estarmos numa relação íntima com as palavras confinamento , isolamento e quarentena. Talvez por sabermos que as coisas, desta vez estão mal e mesmo aqui à nossa porta?

Por aqui, sinto que preciso de por mais ordem nos dias mas não estou a conseguir. Agora vêm aí a escola à distancia e eu não estou mesmo a perceber como vou fazer isto. Não tenho tempo para todos não tenho computadores para todos , não tenho cabeça para tudo.

Mas, adiante… Saí de casa de manhã para ir aos correios pôr a carta para a Inórdia e pôr a arranjar o telefone do Ben que se avariou. Soube-me bem a voltinha nas redondezas depois de tantos dias sem sair de casa, soube um bocadinho a normalidade e por momentos quase me esquecia disto tudo – não fosse precisar de beber um café e não ter nenhum sítio para o fazer.


Depois – lá está e isto ainda nem começou – fiquei muito chateada comigo própria porque, o Lucas tinha uma reunião com os amigos e educadoras e quando me lembrei já tinha acabado, e tenho a certeza que ele tinha gostado tanto de ver os seus amigos….à tarde , também a Luz tinha uma reunião com a sua professora e amigos e…. esqueci-me outra vez!!

Estes dois lapsos fizeram-me decidir que, na próxima semana vamos voltar a ter um horário familiar super estruturado que me vai fazer sentir que sou uma mãe super organizada (mas claro, só até perceber que vou continuar a falhar).
Tomei outra decisão também: sinto que às vezes sou um bocadinho exigente demais ao começar a segunda feira a fazer listas infidáveis de to-do’s. Pois bem, vou trocar a lista dos to do’s e chamá-la de “ideias” e vou fazer uma lista bem grande e visível dos DONNES. Assim em vez de viver stressada com o que não consegui fazer vou dar mais valor ao que fiz. E o resto, é apenas uma lista orientadora de ideias (tipo: ideia: pagar a conta da água ahahah)

Entretanto acho que a melhor parte do dia chegou já perto da hora de jantar e que, até lá nem me lembro bem do que fizemos: reuniões – agora trabalho eu. Agora trabalhas tu. Agora arruma a casa. Agora faz o almoço. Agora despeja a terceira máquina da loiça do dia. Agora trabalho eu. Agora trabalhas tu. And so on…

Mas, perto das 7 da tarde fizemos um jogo bem giro que acho que é a única coisa divertida que tenho para partilhar do dia de hoje: Uma mistura de Pictionary e Mímica – que jogamos muito cá em casa – Então: Num saco pomos vários papeis com nomes, verbos, personagens, pessoas reais. etc. Cada um tira um papel – à vez – e lança o dado (se sair impar faz mímica, se sair par desenha). Quem adivinhar fica com o papel para si. O jogo acaba quando o saco estiver vazio e ganha quem tiver conseguido mais papelinhos. Estávamos a pensar amanhã repetir mas com equipas para evitar a gritaria de hoje com todos a gritar coisas ao mesmo tempo. O Jogo estava tão divertido que acabámos por jantar ali mesmo na sala, enquanto jogávamos – era um jantar que normalmente comemos em taças por isso até foi prático (faço muito este guloso mac-and-cheese : uma bomba que todos adoramos…)
Consegui que eles se deitassem cedo e até contar histórias, chá e tudo e tudo mas, agora enquanto escrevo isto com um cão e um gato em cima de mim os miúdos ainda estão todos (menos o Luquinhas) acordados. Já pediram água, já foram buscar bolachas porque tinham fome, já me vieram pedir um agrafador e já ouvi o Ben a tocar piano (?!) Já me vieram à sala mostrar piadas do livro do Asterix e até só para dar um beijinho.

Mas pronto. Mais um dia. Prontos para outra(o)!

Querido diário, dia 4

Hoje não me apetecia nada vir escrever. Sinto-me cansada e que nao consigo fazer nada e, depois de os deitar, só queria esparramar-me no sofá e adormecer. Sabem quando cada palavra proferida por eles ecoa na cabeça como uma pandeireta?! felizmente nao dura muito e, mal os ponho na cama consigo por tudo em persperctiva e ficar logo com remorsos de ter sentido isso (…quer dizer só até ao primeiro “MÂE PAI QUERO UM COPO DE ÁGUA SFF).


Acho que todos começamos a sentir o acumular dos dias. Sinto que nem estou com eles, nem estou comigo, não estou a trabalhar nem estou a brincar. Esta coisa de ter um pé em cada lado acaba por ser nenhum pé em coisa nenhuma… enfim um normal desalento por estamos nisto há tanto tempo e continuarmos sem m um fim à vista.


O dia começou cedo outra vez. Para além de trabalho tinha umas encomendas para receber (o que é, vou confessar um programa que me alegra o dia!) : 50kg de farinha (sim leram bem 50kg, nós compramos farinhas nesta escala e, claro só compramos a melhor farinha do nosso amigo Paulo! ) também tinha uma encomenda de pijamas e meias e umas coisas para a casa.… ai que bem que sabe esperar encomendas nesta altura, pareço uma criança à espera do Natal… não fosse ser caro e pouco sustentável começava a fazer uma encomenda por dia: à segunda um livro, à terça umas cuecas, à quarta um pijama etc…


Às 11 tinha outra vez uma reunião e, mais uma vez, eles – tiro-lhes o chapéu- estiveram super bem, realmente as manhãs são muito mais harmoniosas do que as tardes e cheias de brincadeiras, e nem os vi enquanto estava em reunião (agora quero ver isto com aulas online e telescola e etc!! H.E.L.P.!)


Como não tenho ligado nenhuma aos almoços hoje resolvi fazer hambúrgueres com arroz – não sei como é em vossas casas mas por cá hambúrgueres é sempre a loucura por isso, o almoço foi óptimo e eles adoraram e,melhor ainda: gelados para a sobremesa.
Hoje o Lucas já fez a sesta e Ufa.. o que isto nos simplifica a tarde mas… ainda assim apesar de terem brincado todos juntos estiveram muito implicativos entre eles. Quanto mais longe dos ecrãs estão, mais implicam. Mas pronto, não podemos querer tudo.


(Entretanto no meio de um dia confuso, houve um bom upgrade. Não sei se viram, mas partilhei no instagram uma funcionalidade do iphone que definir limites para as diferentes aplicações. Andava a sentir que perco demasiado tempo de vida a “espreitar” o telefone e, resolvi impor o limite de meia hora para o instagram. Acho que estive muito mais disciplinada mas, ainda assim, atingi o limite(meia hora) às 17h. Vou ter de perceber melhor como vou gerir lá o meu tempo sem deixar de postar bocadinhos do nosso dia a dia. Ainda a refelctir. Talvez aumente 15 minutos no limite, acho que já é suficiente e assim já não tenho de fazer batota. Também não quero ser uma antipática que não responde a comentários nem vê as outras contas porque gasta o seu “limite auto limitado” de ecrã apenas a postar as próprias coisas.)


Depois do almoço, fomos escrever uma carta para a nossa afilhada de Moçambique. Como também já partilhei já há algum tempo que somos padrinhos de leite no programa pfuka u famba. Mas, agora em Dezembro recebemos uma afilhada do programa “crescer de mãos dadas“, onde assumimos o compromisso de acompanhar a Inórdia durante todo o seu percurso escolar. Estamos muito felizes com este novo membro da nossa familia ainda que esteja tão longe. Hoje falamos muito sobre ela, sobre como seria a vida dela e de como tínhamos vontade de a ir conhecer em breve! Eles escreveram cartas muito bonitas e eu fiquei até emocionada.


Entretanto, acabei por nunca contar o que estava no “tesouro” da caça ao tesouro que a Luz organizou segunda feira e que foi encontrado pelo Ben. Era um estojo cheio de rebuçados e …vales vários (vale escolher o jantar etc até me fez lembrar estes vales que fiz há tantos (6!) anos! Mas os vales foi a Luz que fez e eu nem vi o que lá estava. Sei que hoje o Ben apresentou-me um vale que dizia “podes jogar PlayStation à hora que quiseres”E assim foi. Deixei-o jogar durante uma boa parte da tarde, o que, claro acabou por simplificar as tarde para o meu lado que consegui ficar sentada no quarto dos mais pequeninos a brincar aos playmobiles.


Às 6 da tarde fui fazer o jantar porque achei que já eram 9 da noite. Dias compridos estes cheios de nada mas cheios de tudo, hein?

Querido Diário, dia 3


Como dois dias tão iguais podem ser tão diferentes.

Esta terça-feira começou cedo e a boas horas – para mim e para o Francisco e Lucas – ainda não eram nove horas já estávamos prontissimos. Enquanto o resto da casa ia acordando devagarinho consegui trabalhar. Incrivel. E como rendem as horas da manhã… O Francisco foi acompanhando os acordares, os pequenos almoços e as insistências para que lavem os dentes (às vezes apetecia-me desisitir que lavassem os dentes)


Às 11 tinha uma reunião e entre legos, desenhos e um filme, eles ficaram super sossegados. Outra vez Incrivel. Nem por um momento me apareceram no ecrã do Teams. Ninguém naquela reunião imaginou que, a menos de dois metros de mim estavam 5 crianças entre os 2 e os 14 anos (ok ok estavam supervisionadas pelo Francisco mas ainda assim…) A reunião durou quase duas horas por isso, mal terminou estava tudo cheio de fome e, em vez de ir fazer o almoço resolvi distribuir tostas com “vaca que ri”. Claro está, à hora de almoço ninguém tinha fome… o que na verdade até me deu um jeitão. Despachei restos de ontem e de anteontem e tudo o que tinha no frigorífico, uns ovos estrelados e, está feito.


Como tinha prometido às meninas fazer plasticina caseira, foi o programa logo a seguir ao almoço – este programa já o tinhamos feito no primeiro confinamento no ANO PASSADO (e quão sinistra é esta frase hein?! ) . Como achei que o Lucas também iria gostar deste programa acabámos por não o pôr a dormir a sesta – facto que achei que viria a lamentar ao final da tarde mas que -curiosamente- correu lindamente. Adormeceu no meu colo quando víamos a Heidi.

A plasticina foi uma diversão, vale mesmo a pena. Optámos por fazer umas de cor pastel e no fim elas ainda acrescentaram umas purpurinas. Agora guardámos em frascos tapados para amanhã voltarmos a brincar!
Hoje estava combinado com os rapazes que não havia playstation, o que é sempre dificil de gerir mas fartaram-se de brincar aos super heróis com o Lucas e depois, estivémos uma boa parte da tarde a jogar às setas – já agora aproveito para dizer que é um investimento espectacular – 15€ no Decathlon um alvo de setas electrónico – temo-nos divertido imenso com elas. Tanto num registo de noite e minis a dois, como num registo de tarde com os filhos mais velhos.


Depois, banhos, por a mesa, fazer o jantar. Jantar. Deitar. Amanhã: repeat – em que seja um dia tão harmonioso como o de hoje.
E os vossos? Como têm sido os vossos dias?

Querido diário, dia 2


Estou muito contente com este diário porque tenho sempre alguma coisa para escrever sem ter de pensar num tema – que normalemente é o mais complicado. Também estou feliz de ter ressuscitado o blog, e ainda mais feliz por perceber que vocês ficaram felizes!! Obrigada!


Segunda-feira de manhã é sempre muito custoso e, por isso, confesso que hoje pensei que bom que era uma segunda feira em quarentena…
Mas durou pouco este sentimento porque, claro, de repente eram quase 10 da manhã e ainda não estávamos prontos. Uns de pijama, outros ainda não tinham comido. E, guess what? É dia de semana!! Acabou o bem bom do fim de semana e… agora é que são elas.
É difícil descrever mas, trabalhar e estar com 5 filhos ao mesmo tempo tem que se lhe diga. Por mais que tente dividir “agora vou brincar uma hora e depois eles vão ver um filme e vou trabalhar uma hora” não consigo que assim seja. Primeiro, não consigo estar a brincar sem ir espreitar um mail, responder a isto, investigar aquilo nem consigo estar a trabalhar sem ter de interromper para fazer o almoço, mudar uma fralda, gerir uma birra, dar um colo ou fazer uma construção de legos. E atenção, somos dois adultos e tentamos dividir o tempos de trabalho e de filhos pelos dois (mas ainda assim eles estão em clara maioria).

De qualquer forma, a manhã prometia, fora o atraso no arranque, tivemos ali 20 ou 30 minutos em que estiveram todos entretidos. Uns nos legos, outros a organizarem uma caça ao tesouro. Na altura pareceu-me imenso tempo mas agora vejo que foi um segundo do dia (e que parece que já foi anteontem e não esta manhã!)

Pensei que talvez quando o Lucas fosse dormir conseguisse trabalhar melhor, mas … eles são cinco e quando o Lucas vai dormir sinto que é altura de dar atenção aos outros porque, quando ele está acordado é muito intenso e com ele próprio diz “É MEU MÃE!”
Então, desafiei a Jasmim a fazer um bolo comigo (a Jasmim ADORA fazer bolos) tinha umas bananas a estragarem-se e assim fazia um 3 em 1: um lanche, um programa com a Jasmim e ainda combatia o dsprdcio. Fizemos um bolo em forma de guitarra, porque cá em casa temos formas de várias formas e a Jasmim é que escolhia e assim foi.
Enquanto isso, o Ben estava a ter uma aula de piano em zoom e, claro, acordou o Lucas da sesta… Ai o que me custa ele acordar da sesta: primeiro porque nunca consigo fazer nem metade daquilo que imagino que vou fazer nesse tempo, depois porque ele quando acorda gosta (e eu amo) de estar no quentinho do meu colo uma boa meia hora – um momento maravilhoso mas difícil de gerir quando há outros filhos e (agora) mais nenhum adulto porque o Francisco já está lá em baixo no atelier. Solução: “meninos vou por um filme” mas… tenho um adolescente em casa não posso viver a vender-lhe filmes da Disney em repeat por isso, lá vai ele recambiado para a playstation (tristíssimo, como devem calcular!!).

Um bebé no colo de um lado, o computador no colo do outro lado. Peter Pan na TV e heina! lá consegui trabalhar mais meia horinha.


Pouco depois, e talvez a melhor parte do dia foi uma caça ao tesouro organizada pela Luz -ontem acabei por não partilhar o livro de onde ela anda a tirar as ideias giras que tem feito estes dias. o livro é este, recebeu de alguém num aniversário há dois ou três anos atrás e tem tido muito uso, vale a pena, embora não acrescente nada de grande novidade é uma compilação de actividades e brincadeiras e um óptimo auxiliar de memória para tempos como este.


Como sabem – ou não – mas não me canso de repetir. Cá em casa faço sempre a ementa semanal e, hoje o jantar eram filetes com arroz de tomate… glups! Dá um bocado trabalho mas confesso: cada vez gosto mais de cozinhar e de estar na cozinha – é talvez a minha actividade diária mais próxima da meditação. E.. filetes com arroz de tomate é mesmo mesmo bom.
Depois de jantarmos e de vermos a nossa série (estamos a ver a Heidi original em família, (pela segunda ou terceira vez) tudo para cama, nem contei história nem levei chá. Nada. Já têm tido tantos mimos ao longo do dia não é preciso ser sempre o pacote completo na hora de deitar (por mais que ame o ritual completo).
E pronto, escrevi isto, li umas páginas do meu livro e… adormeci.