Pausa nas férias

IMG_0596.JPG

 

IMG_0599.JPG

IMG_0600.JPG

IMG_0598.JPG

IMG_0601.JPG

IMG_0602.JPG

E pronto, esta semana foi semana de fazer uma pausa nas férias. Uma semana de trabalho entre três de férias. Aproveitámos o fim de semana para cuidar da nossa casa e do nosso jardim. O jardim precisa de ser desbastado, a horta precisa de ser cuidada.   E, enquanto uns ajudam o pai a tratar do jardim, outros ajudam a mãe a fazer um  bolo – que bom aproveitar para matar saudades de fazer um bolo – este é daqui e aconselho MESMO a experimentarem. .

Claro que uma pausa da praia não é so para trabalhar, por isso temos tempo de jogar todos um jogo e ainda abrir a época do tricot, este ano uma época muito especial, com muitas peças pequeninas para fazer…a o enxoval da Jasmim. Que decisões dificeis… por onde começar? que tempo estará quando nascer?  Um casaquinho de lã branca vai ser a primeira peça. Decidi. Simples, fácil e com novelos que ainda cá tenho. Que bem que sabe uma pausa nas férias!

Anúncios

Que sorte que temos

20140722-224117-81677878.jpg

20140722-224129-81689065.jpg

20140722-224138-81698265.jpg

20140722-224146-81706923.jpg

20140722-224204-81724137.jpg

20140722-224216-81736735.jpg

A nossa horta é pequenina, mas todos os dias brotam sempre coisas novas que trazemos para cima e usamos no jantar do dia, acabadas de colher… E todos os dias penso – que sorte que tenho!-
Mas agora, nem só legumes vêm do jardim, todos os dias nascem novos objectos feitos pelo Francisco com as suas madeiras. Hoje foi dia de estrear uma lindíssima colher de pau feita por ele para mexer o nosso saboroso alho francês.. E eu penso – que sorte que tenho!

Cada vez mais conseguimos aproximar aquilo que sempre quisemos como ideal de vida – ser cada vez mais auto auto-suficientes – daquilo que somos capazes de fazer. E é uma sensação de poder incrível. Todos os dias penso – Vale mesmo a pena!

30minutos

20140403-220203.jpg

20140403-220211.jpg

Comecei a cozinhar e a gostar de cozinhar ainda vivia em casa dos meus pais. Isto aconteceu principalmente porque com 17 anos me ter tornei vegetariana, para grande desgosto da minha mãe, pois como grande cozinheira que é, tinha menos um elemento na família a provar os pratos que confecionava com tanto gosto. Nessa altura cozinhar tornou-se um desafio, descobrir ingredientes diferentes e como se podia comer tão bem sem carne e peixe. Adorava gastar a minha semanada no Celeiro (juro!) e construí uma enorme biblioteca de livros de receitas vegetarianas. Depois de casar, conheci o Jamie Oliver por quem troquei, não o meu marido, mas os meus livros de cozinha vegetariana (embora ainda os use muito). Depressa se tornou uma grande influência em nossa casa, e ainda hoje o é – empatado com este site que sigo quase diariamente.

Quando apareceu (ou pelo menos quando o descobri) o Jamie ‘s 30 minutes, já tinha esse desafio quase diário. Adoro cozinhar rápido. Antes de ter filhos fazia jogos comigo própria de como conseguia preparar uma refeição completa com sobremesa e deixar a cozinha arrumada no menor tempo possível. Tinha recordes para bater (sim… louca). Hoje em dia o desafio é o mesmo mas não comigo própria (estou mais sã) e sim com o banho que o Francisco lhes está a dar. Ou seja, o jantar (tudo incluído) tem de ficar pronto ao mesmo tempo que eles.

Ah… Ir à horta não conta, só começa a contar com o cesto cá em cima (e já viram como as nossas alfaces estão cada vez mais bonitas).

20140403-220328.jpg

20140403-220335.jpg

20140403-220355.jpg

 

Na horta #3

20140330-215230.jpg

20140330-215248.jpg

20140330-215307.jpg

20140330-215316.jpg

20140330-215326.jpg

20140330-215414.jpg

20140330-215429.jpg

Apesar do frio, primavera é primavera e na horta isso é bem visível. Apesar do inverno rigoroso, vemos agora as cores alegres da horta a voltarem a surgir. O tomilho, a hortelã e a rúcula, até pelas pedras estão a crescer. As beterrabas estão enormes. As alfaces, crescem a uma velocidade normal, finalmente. Os rabanetes, cebolas e cenouras  revelam nas suas vigorosas folhas o que escondem por baixo da terra.
Claro que não é só a primavera que está a agitar todas estas plantações… a presença constante e dedicação do Francisco-hortelão é a principal fonte de energia desta horta e, não esquecendo a ajuda do hortelão mais novo que vibra com tudo o que se passa na horta e até já pediu uma enxada pequenina de presente – como se pode ver esta é maior que ele e, por isso difícil de trabalhar…
Mas felizmente que há gostos para tudo e no jardim não dá só horta mas também dá…. Benfica!

Um dia para uma casa

20140308-220051.jpg

20140308-220101.jpg

20140308-220141.jpg

20140308-220518.jpg

20140308-220530.jpg

Foram quatro horas para fazer uma casinha nova. Uma casinha que há já quatro anos que queríamos ter. Precisamos mesmo dela, mas ainda não tínhamos conseguido fazer. Claro que sempre idealizámos que fosse totalmente feita por nós, mas não deu, feitas as contas à madeira e restante material, seria mais em conta esta casa. E em conta conta muito e , por isso, cá está o nosso novo abrigo no jardim. Servirá de apoio à horta, aos churrascos e aos brinquedos, mas será principalmente atelier de pintura do Francisco e a sua carpintaria para podermos cada vez mais construir as nossas coisas.
Valeu-nos a entrada repentina da Primavera, que nos deu este lindo dia de sol que permitiu a todos os filhos, primos e irmãos passarem um belo dia no jardim, depois de meses sem lá pôr os pés. Mas, principalmente o nosso querido irmão António que sem ele ainda teríamos a casa dentro da caixa.