Abertura oficial da época do gelado de morango caseiro

20140505-215853.jpg

20140505-215858.jpg

20140505-215904.jpg

20140505-220116.jpg

20140505-220134.jpg

Embora cada vez mais existam receitas de gelados caseiros maravilhosas e saudáveis, com ingredientes originais, sem natas, sem açúcar, de mirtilo, ruibarbo e outras coisas fantásticas. Cá em casa ganha sempre o típico gelado de morango.
Acho que praticamente toda a gente comeu este gelado em criança. Havia quem o fizesse numa forma, e quem o fizesse em taças. Haviam mil truques – cada casa tinha o seu- para que não ficasse granizado, ou meia banana, ou gotas de limão, para outros era mexer a meio da congelação, enfim… devem haver muitos mais truque para este famoso gelado.
Por cá, gosto de o fazer em pequenas formas de gelado, para que o possam comer com pauzinho. Faço doze e o que sobra ponho numa taça. O truque que uso é ter as natas bem batidas com o açúcar, como se fosse chantili. Misturo depois os morangos triturados e umas gotas de limão. As quantidades faço a olho, mas normalmente o dobro de morangos para a mesma quantidade de açúcar e natas.
Fica sempre bom, mas aqueles que se comem com um pauzinho têm um sabor especial…

Manteiga de amendoim

20140313-230230.jpg

20140313-230240.jpg

20140313-230255.jpg

20140313-230309.jpg

20140313-230329.jpg

A manteiga de amendoim caseira édivertida de fazer e uma óptima alternativa para barrar no pão. Eles adoram, comer e fazer (principalmente roubar os amendoins) e demora cinco minutos. Ou menos.
Colocar os amendoins (torrados) num robot de cozinha durante uns minutos até se transformar numa pasta ( se necessário colocar uma colher pequena de óleo- normalmente não é)
Colocar a pasta em frascos e, está pronta a barrar!
Também existem outras receitas e bolos óptimos com manteiga amendoim. Prometo receita para breve!

Cereais da força #2

20140220-224500.jpg

20140220-224509.jpg

20140220-224524.jpg

20140220-224531.jpg

20140223-145919.jpg

Um dos primeiros posts deste blog foi a receita da nossa granola caseira. No outro dia queria fazer um link para esse post e simplesmente não estava lá. Sumiu. Então, hoje faço outro porque eles são muito importantes cá em casa e já fazem parte dos nossos pequenos almoços há muitos anos! Já não me lembro do que tinha lá escrito, mas tenho a certeza que o principal era que chamar cereais da força à granola sempre foi um grande incentivo a todos quererem comer, e agora já não lhes consigo chamar outra coisa… Normalmente faço-a à segunda-feira à noite, mas por vezes é preciso reforçar a dose semanal e então faço-a quando tenho algum tempo – está foi feita com a ajuda deles, como se pode perceber pela confusão de sementes e farinha espalhada. Pode-se ver como a Luz gosta dos cereais da força, que até rapa a taça com eles ainda crus! O Benjamim esteve entretido a preparar café de linhaça e sal (?).

A receita é sempre diferente, consoante as variantes que possa ter em casa, mas a base é esta:
– 200 g de aveia
– meia chávena de sementes de linhaça
– meia chávena de sementes de sésamo
– meia chávena de sementes de girassol
-1 chávena de farinha integral
-açúcar ( é opcional, mas eles preferem)
– sal
-canela
– frutos secos a gosto- quantos mais melhor!
– meia chávena de mel
-meia chávena de sumo (laranja ou maçã)
-meia chávena de óleo

Misturar numa taça grande os ingredientes secos.
Num frasco colocar os ingredientes líquidos, agitar bem e verter sobre os secos.
Misturar tudo muito bem, até ter os líquidos bem incorporados.
Espalhar num tabuleiro forrado com papel vegetal.
Levar ao forno a 150′ durante 1 hora, mexendo regularmente.

Estes levaram avelãs moídas e depois de saírem do forno ainda misturei algumas passas que cá tinha! Acho que é uma boa variante, mas também gosto muito com amêndoas e côco ralado, ou nozes e bagas de groselha!

Sopa da força

20140210-165455.jpg

20140210-165505.jpg

20140210-165515.jpg

Faz hoje 10 dias que uma série de moléstias acabadas em ite entraram em nossa casa e, ao que parece, vieram para ficar. Amigdalite, otite, gastroenterite todas por cá passaram. Primeiro o Benjamin que pegou à Luz que pegou a mim que peguei ao Jacinto… ou não necessariamente por esta ordem…
Todas as semanas, quando fazemos a ementa da semana escolhemos também a “sopa da semana”, que é a sopa principal da semana – não que dure a semana toda, porque não dura, mas é a sopa mais importante – à quinta-feira, normalmente fazemos outra, com o que houver em casa.
Esta semana, com as doenças que por aqui andam, resolvi inventar a “sopa da força”. Com as propriedades anti inflamatórias do gengibre, o poder das vitaminas e ferro do espinafre e, claro, este nome infalível.
Confeccionei-a como uma vulgar sopa de espinafres – com grande tristeza de não serem da nossa horta- acrescentei uma boa dose (o tamanho de uma noz) de gengibre ralado na hora à cozedura dos legumes e no final, com a sopa já batida para lhe dar um toque adocicado, leite de côco a gosto.
Agora vamos ver qual é a ite que não vai fugir amedrontada!!

O fim da linha.

20140204-183748.jpg

20140204-183805.jpg

20140204-183820.jpg

20140204-183832.jpg

20140204-183845.jpg

E pronto. Agora é mesmo o fim da linha… Não sei bem se é uma boa ou má notícia mas, fiz doce de leite e ficou maravilhoso bom.
A ideia tirei daqui, quase todas as receitas que vejo neste blog tenho vontade de fazer – para além de serem óptimas e originais, sei sempre que saiem bem, estão super bem explicadas – quando vi a ideia do doce de leite hesitei: “não posso” “não faz mal, é só para experimentar” “mas é uma bomba”… Enfim, um dia em casa com os filhos doentes foi o suficiente para largar o diálogo comigo própria e partir para a acção.
Demora bastante tempo, mas não exige estarmos todo o tempo ao lume. Os ingredientes que usei foram : um litro de leite gordo, uma chávena de açúcar, um pau de canela (opcional – para a próxima não vou pôr) e uma colher de chá de bicarbonato de soda. Também opcional são umas pedrinhas de flor de sal ou sal marinho, que dão um toque muito especial a este doce – recomendo vivamente.
Levamos ao lume todos os ingredientes, menos o bicarbonato que se coloca só depois de o leite ter aquecido um pouco e o açúcar estar dissolvido.
Depois de mais ou menos uma hora ao lume mexendo de 15 em 15 minutos o leite começa a ganhar cor, nesta altura devemos mexer com mais frequência até começar a ficar mais acastanhado. Quando estiver com uma consistência melosa e cor de caramelo podemos tirar do lume e colocar em frascos.
Se na altura de servir parecer muito espessa podemos colocar um pouco no microondas. Fica óptimo com fruta, com crepes, com gelado…